/ Psicologia

Ela Não Tem Mais a Teta Como

 ....ela não tem mais a teta como tinha antes..... antes, era durinha, bonita, agora é quase toda caída.....perdi o tesão !

Este monólogo já ouvi de algumas pessoas, do sexo masculino, que encontrei pela minha vida profissional. É aquele grande problema do masculino. Ver a mulher com a glande(cabeça) do pênis. Quando o homem vê a mulher só por este prisma, é porque ela se tornou apenas um objeto sexual.

Está arraigado em nossa cultura mundial este tipo de sentimento masculino, de ver a mulher como um objeto sexual. Infelizmente a mídia de maneira geral, tem feito tudo para que se mantenha este padrão, tais como tchan”s, topless, popozudas, etc. Alguns povos inclusive decretaram leis severas contra as mulheres, proibindo-as de mostrarem o corpo, visando ajudar os homens(sic), por saberem o domínio que o corpo feminino tem sobre os homens de maneira geral.

Grande parte das religiões, colocam o pecado como freio dos naturais instintos sexuais, que estando desequilibrados, fazem da mulher, a grande tentação do homem. Portanto, em quase todas elas, desde Eva, a mulher ou seu corpo, é simbolizada como a personificação do pecado.

Muitos profissionais da área comportamental e clínica,têm escrito coisas interessantes, e creio que ainda, ninguém conseguiu explicar melhor do que a teoria Psicanalítica, este profundo apego do masculino pelo corpo feminino, a não ser, que seja originado pelo elo neurótico estabelecido durante a formação edípica, onde o menino se apaixona pela mãe.

A grande maioria dos homens de nossa sociedade, não sublimaram este amor e desejo pela mãe, quando completaram seus 7 anos de vida. 

A neurose continua,

e o homem coloca NO CORPO DE QUALQUER MULHER, toda aquela carga da libido não bem orientada ou conduzida durante sua infância. É como se o tesão pela própria mãe, acumulado na infância, agora na fase adulta, explodisse pelo corpo de quase todas as mulheres do mundo.

Fazendo uma viagem no tempo, lembro-me dos meus 13/14 anos, quando me apaixonei e jurei tesão e amor eterno, pela encantadora Sophia Loren, uma das mulheres mais bonitas de sua época... se você é um leitor mais jovem, assista o filme Quo Vadis, irá entender os meus motivos de adolescente.

Vejo, como cronista comportamental, que ambos, homens e mulheres, estão numa enorme armadilha. A estrutura social, foi elaborada como uma teia de aranha. A mulher precisa se sentir bonita, por causa da outra mulher(que no fundo representa a mãe), e por isso, super valoriza seu corpo, suas formas, sua sensualidade. O homem, como é quase analfabeto, e não tem, ou tem pouca leitura social e humana, pois o que mais lhe ensinaram é ser um babaca, crê que aquele corpo foi feito para seu prazer e deleite, e se perde nos devaneios das curvas e dos desejos entre tantos corpos bonitos que vê a cada hora de sua vida. 

O corpo da mulher

é um monumento de beleza. Os seios duros e fartos, as coxas torneadas e bem proporcionadas, um bumbum durinho e lisinho, cabelos, lábios, de fato a mulher é uma ode à beleza humana.

Na minha opinião, o corpo da mulher é um monumento de beleza,e além das razões colocadas acima, é também um monumento de vida, de luz, de respeito e de amor! A matriz da vida tem sido por demais desrespeitada, tanto pelos homens, como pelas mulheres!

Entendo o sexo, como o maior presente dado pela divindade, à nossa vida material da 3a. dimensão. Que gostoso é fazer sexo. Que maravilha o êxtase do orgasmo. Que maravilha ter um cheiroso, macio e belo corpo de mulher ao meu lado. Quanto romance, prazer, ternura, alegria, encantamento, nós podemos conseguir e trocar na hora de nossa intimidade sexual! 

Viva o amor! Viva a vida! Viva a mulher! Viva... viva ?

Certamente, tem sido um pouco diferente do que poderia ser. Não temos qualidade de vida afetiva no planeta terra. Buscamos desenfreadamente, uma qualidade de vida sexual, baseado apenas no instinto, e não no amor. EU SÓ A AMO SE ELA FOR BONITA E/OU GOSTOSA.

A atração entre os seres, tem um conjunto de fatores, que fazem ou não a qualidade de uma relação. Todos os homens que eu conheço, onde me incluo, a primeira coisa que olha numa mulher é sua aparência. Certas partes do corpo feminino, que fizeram parte da nossa aprendizagem, lá trás, bem no início da infância, estão cristalizadas, como um grande aprendizado, e que nos dão a opção sexual de escolha deste nosso momento.

Alguma coisa está marcada dentro de cada homem, que determina o padrão de beleza feminina, que ele busca incessantemente. Como de maneia geral, o homem é imaturo, esta parte continua sempre criança, e de maneira geral, os homens não acompanham o desenvolvimento de cada fase que passamos na vida. A grande maioria termina morrendo, e pensando com a glande do pênis.

A mulher foi estruturada, para que entre 15/17 até 30/35 anos, tenha o seu esplendor de beleza. Todos os hormônios a programam, para de fato ser muito bonita, e atrair o seu macho, para que havendo cópula, tenha-se a descendência e a vida continue.

Muitas vezes eu fiquei entristecido, de ver a dor, o sofrimento de várias mulheres, que perdem a beleza e o viço, e como tinham apostado quase todas suas fixas, em cima de formas e curvas, ao perderem a beleza que a idade naturalmente tira, ficam desesperadas e entram em profundas crises existenciais. 

Durante um período de 15 anos, a mulher é de fato muito bonita!

Aqui na 3a. dimensão, tudo muda, tudo se transforma e tudo acaba. É a realidade. É a lei universal. A beleza da mulher um dia acaba. Fica outro tipo de beleza. A beleza da experiência, a beleza da maturidade, a beleza da segurança pessoal, a beleza da espiritualidade. A mulher que entender isso é campeã!

Tanto quanto os homens, as mulheres vivem também seus grandes desequilíbrios, e apesar de ser mais madura, e naturalmente evoluída, por ser matriz da vida, o seu grande ponto fraco tem sido a vaidade. Com um belo elogio, dificilmente um homem não consegue o que quer de uma mulher.

A vaidade e a competição com a outra mulher, tem marcado a tônica do feminino em nossa sociedade atual.

Tem hora que converso com meus botões, e chego até a achar injusto o declínio do ser humano, e principalmente da beleza da mulher, mas depois quando me lembro, que estou na 3a. dimensão, entro novamente na harmonia da lei.

Por ter a necessidade interior de vender sua aparência,(e muitas mulheres sentem muito prazer em deixar seu homem dependente do seu sexo), quando esta aparência declina, ou começa a declinar, aquilo que ela tinha a oferecer ao homem termina. Se ela não ajuntou ao sexo, as outras qualidades como, companheirismo, respeito, amizade, disponibilidade, interesse, etc, que formam a estrutura do amor conjugal, e possibilita que uma relação continue depois que a chama da paixão termine, ela correrá um enorme risco, de dividir seu leito conjugal com uma outra mulher. 

Infelizmente o homem ainda não pensa com a cabeça certa,

e por este motivo, quase que sempre imaturo, não consegue entender o que é uma relação madura. Sente uma imensa necessidade de ir atrás de um corpo novo de mulher, onde a libido ou o tesão se reacenda.

Muitos jogam para fora, anos de relação, de investimento afetivo de ambos os lados, por não terem sabedoria de enfrentar as mudanças que a vida promove em cada um de nós.

Certamente, o masculino na faixa de 40 anos ou um pouco mais, entra na idade do lobo, muito próximo da Andropausa ( declínio físico geral e de sua sexualidade) e precisa-se sentir remoçado, jovem novamente.

Normalmente nesta fase, o homem que não amadureceu alguns aspectos de sua psiquê, voltará a ter um comportamento quase que de adolescente. Ao tentar resgatar de maneira errada alguns valores, ele arruma uma série de problemas, inclusive com namoradas ou apenas casos.

Temos que olhar também a postura de muitas mulheres, que não acompanham o desenvolvimento do homem, por entenderem que os homens precisam ser cuidados. Vivem suas vidas cuidando dos seus homens e param no tempo e espaço, e com a quase e única função de esposa/mãe, ficam tão distantes da realidade do seus maridos, que continuar a relação para estes homens, é apenas uma questão de acomodação.

 

Uma possível saída para esta crise,

está dentro do interior de cada um. Fomos nós seres humanos que criamos os desequilíbrios que comandam nossas vidas e dentro de cada um está a saída ou solução. Quando falo dentro de cada um, gostaria que você entendesse que falo de uma profunda consciência, que precisamos buscar.

Não falo dos desejos do ego, falo das necessidades de nossas almas de criamos condições de felicidades entre os seres humano,s e principalmente nas relações afetivas.

Múltiplos vícios comportamentais, comandam nossas relações. Apegos e não amor, tomam conta de nossos corações. Modismos desequilibrados, são acrescentados a toda hora, no cardápio de nossas relações, que muitos em nome do socialmente aceito, chegam a abrir mão de uma relação estável e segura.

À mulher, seria interessante, que ela olhasse esta profunda neurose que cria a necessidade de ser bonita, e precisar se sentir bonita, de ter que escutar que é bonita, ou ter que ser mais bonita que a outra mulher e brigar e competir o tempo todo. Para quê? O que ganha com isso?

Quando a mulher enfrentar isso, na relação com sua mãe, ela estará dentro do seu maior poder e domínio, e certamente, será um ser excepcional. Não fará mais o homem depender do seu corpo e este aceitará naturalmente o envelhecimento do corpo feminino como um fator da etapa humana e estará pronta a comandar vida e a evolução, pois creio que este é o papel que a natureza lhe destinou.

Ao homem, seria aconselhável, que tentasse entender os motivos pelos quais pensa com a glande do pênis, fato que o leva a enxergar a mulher mais como um objeto do que um ser humano. Se isso fizer, irá entender porquê é tão dependente do corpo da mulher, e à partir daí poderá estabelecer uma relação com a mulher e não com ou apenas seu corpo.

Toda dependência é danosa à vida, pois ela cria parâmetros de limites e não de liberdade. Liberdade é você poder escolher algo, pelos seus desejos e intenções, e não por condicionamento.

Você que me lê, já teve um único dia em sua vida livre? Já viveu um único dia em liberdade, sem estar preso a nada, a nenhum pensamento, nenhuma convenção ou padrão emocional herdado?

Se você é um dos poucos felizardos que conseguiu, parabéns!

Se você é um dos, da imensa maioria de humanos que ainda não conseguiu, tente!

E se não conseguir, creia-me, você precisa aprender a entrar em seu interior, pois só entrando em si mesmo , poderá mudar esta triste e melancólica história da raça humana, de estar preso e dependente a um corpo, que por mais bonito que seja, se acaba, enquanto a alma eterna, é deixada em plano secundário, e quase que sem valor.

Texto revisado por: Cris